quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

A fila!

Já era quase meio dia e nada daquele grande amontoado de pessoas andar.  Seja pelo sistema suficientemente lento que não permitia o serviço fluir, seja pela falta de proatividade dos dois míseros caixas que estavam em seus turnos. 
Mas nunca, absolutamente nunca, me espantava com o tamanho e a proporção da fila, a mesma fila que sempre pegava no começo do mês para receber salário e pagar minhas contas. 
- Ei, cadê o gerente desta joça? Esta fila que não anda.
- Cadê os nossos direitos? É um absurdo!
- Parece que tá andando é de marcha ré.
O som das falas ecoava por todo o salão condensado por um ar frio e ao mesmo tempo caloroso, devido a grande quantidade de massa parada aguardando a sua vez. As frases soavam como protesto, mas eram vistas como algo cômico.
É engraçado estar num ambiente onde se propaga uma verdadeira torre de Babel - pessoas de diferentes tipos, atipicamente diferentes, num único lugar, dividindo os seus tempos independentemente dos valor que possuem em suas contas correntes. A fila tem um poder terrivelmente social de igualar as pessoas num único patamar - esperando sua vez para ser atendido, sem diferenças, sem nenhum tipo de predileção.
Já se passara mais dez minutos, havia uma senhora na minha frente que trocava de posição a cada dez segundos, devido seu peso alto - trocava o pé para sustentar o peso do corpo; atrás de mim tinha um irritante rapaz que estava ouvindo musica com os fones e cantava uma ou outra frase perdida de uma música qualquer. Mais a frente tinha uma mulher já de meia idade que era a casca dura da fila, já tinha ido umas dez vezes no caixa reclamar e perguntar o que tava acontecendo para a lentidão - sempre tem uma pessoa deste tipo e é engraçado vê-la agir. Mas ao longo da fila aparece um casal. Os dois vinham em direção a fila e pararam bem em frente ao caixa. Isso só podia significar uma coisa: PRIORIDADE.
Mas era óbvio que não fazia sentido vê-los ali  Como nós, seres humanos, somos tão egoísta e egocêntricos. Claramente se percebia uma mulher desengonçada, que foi arrancada de seu ambiente de trabalho caseiro e que carregava um bebê sonolento em seus braços e um marido com no minimo uma duzia de boletos em suas mãos. Ninguém protestou nada, afinal de contas, é uma mulher com crianças de colo. Era a vez deles, e para fazer uso de tal prioridade ele lançou para ela os boletos a serem pagos. O engraçado foi vê-la estranhar e supostamente odiá-lo naquele momento por não perceber que ela estava com a criança. Com um mal ensaiando lance de braços devolveu-o os papeis com um rubor em sua face.
-Proximo!
O caixa gritou ao finalizar o pagamento da "prioridade". Os dois então se afastaram do caixa e andaram em direção a porta de saída, sem nenhum constrangimento ou mesmo uma expressão de desconfiança na cara, afinal de contas, eles estão no direito de ter a prioridade. 
O resto da fila continuou lá, inerte, sem mover-se. Eu os observava no meu canto e imaginava como é, no minimo, interessante esta forma brasileira de pensar e agir.Só conseguimos ver nossa individualidade, com os nossos problemas, com os nossos 'afazeres'. 
A porta se fechou novamente e o casal já se perdia de minha visão. Quanto a fila? Permanecia lá, do mesmo jeito que era, fazendo o mesmo ato social de nos unir a esperar. Agora era a vez de um executivo - este sim vai demorar.

domingo, 6 de janeiro de 2013

Uau! A engrenagem funciona desta vez?



Parece bobagem, mas é incrível como o inicio de um novo ano nos faz querer ser pessoas melhores, com um novo método de vida, uma nova perspectiva social, um novo caminho a tomar, novas escolhas a serem feitas. Nos colocamos numa verdadeira 'guerra' homônima de nós conosco. E aí? Como levar tudo isso neste novo ano? Como vencer as barreiras que não vencemos nos velhinho passado? Como sermos, de fato, pessoas melhores este ano?
Sinceramente cada ano que passa fica mais difícil entender o porquê de se criar tantos planos, de almejar tanto se transformar em um Super-Herói, de simplesmente querer mais do que se pode ter. Que complexo falar sobre tantas mudanças durante um prazo ínfimo de 365 dias não é? Isso mexe verdadeiramente com o nosso psicológico  Ah, e como mexe! Principalmente quando vivemos numa sociedade-zinha de #$@%& que sofre de dois males - o pré-Conceito  e o pré-Juízo! Que engraçado não?
Bastamos nós perceber que tudo o que vale é a nossa perspectiva - será que faço isso para agradar a mim? Ou faço (tento fazer) tais mudança como uma clinica de 'alter-ego'? Apenas para satisfazer os padrões da comunidade?
Uma tarde aí estava assistindo um filme interessante que tinha a mensagem central de que poderíamos mudar o mundo com um simples gesto de amor e caridade. E aí? Não seria meio utópico para nós tentar realizar tal proeza? Na minha opinião, não que valha de nada e muito menos que valha de menos, este é o conceito real para mudar o que somos - mudar o mundo, o nosso mundo, o meu mundo, o teu mundo. Porque seria muito sensacionalismo um louco qualquer dizer que por um simples gesto de amor mudaríamos o MUNDO. Mas não - mudaríamos o nosso mundo; mudaríamos o 'podre' que mora dentro de nossos corações. Uma atitude  um ação realmente nobre da parte de cada um. Não querer ser Super-Herói de uma comunidade, ou uma pessoa, mas querer ser o meu próprio herói. Uau, tudo isso mudaria o conceito dos filmes do Super-Man não acham?
Se prender ao simples fatos de sermos frutos do meio nos torna verdadeiros charlatões para as nossas mudanças. Nos faz dizer uma verdade oculta, nos faz colocar um dinheiro num bolso furado, nos faz apagar o fogo com combustível. Isso não iriamos desejar a nós. Não mesmo! Então é isso - celebrar a vida, celebrar os 365 dias deste ano com um simples gesto de amor e caridade conosco mesmo. "Nos Amar, para amar o próximo". Que lindo - Em um texto de centenas de palavras uma unica frase faz todo o sentido!

Feliz 2013 para todos nós!
Acho que  retorno este ano e de quebra
Faço este 'treco' rodar"
;)
p.s.: aos amigos imaginários

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

... forget!

É como se fosse a porta de um quarto,
e neste quarto há uma cama macia,
um coberto cheirando a lavanda,
cinco travesseiros macios,
um clima extremamente suave.
E um ser humano inacreditavelmente entregue ao amor de seu espaço!.
Havia esquecido, reamente, como é estar num espaço, num local que te proporciona tanta coisa boa, tanta coisa mágica. Questiono-me: por que somos tão tolos de deixar passar, de esquecer aquilo que nos dá 'tesão'? Que nos leva ao climax do prazer? Por que somos tão tolos de simplesmente fechar os olhos e dizer que aquilo já não faz mais parte da nossa história de v ida? Por que fazemos, hipocritamente, questão de dizer que já não aguento mais ter que cuidar de um local tão complicado como este - mas no fundo você sabe que é um lugar maravilhoso...
... faço estas perguntas, porque eu fui exatamente desta forma. Eu simplesmente fechei os olhos, tantas vezes, para tantas maravilhas em minha vida. E pude sentir o gosto bom, o gosto de renovação, ao logar no meu Palavras do Sol. Pude relembrar das vezes que ficava com a tela de postagem durante horas tentando escrever algo decente para mim e para os meu amigos imaginários. Pude relembrar das tantas vezes que passei aqui, fazendo amizade com pessoas incriveis, que escreviam lindos textos - e talvez os meus textos fossem lindos também...
... então, a única palavra que se sucede estas tantas outras, é saudades. Saudades e mais saudades. Saudades de ser a traça devoradora, saudades de sentir a lampada queimar sobre minha cabeça, saudades. Ponto!
Amo-te, mais que demais Palavras do Sol! Mesmo sendo e estando assim; amo você! Dorme bem meu garoto!.
até mais...

quarta-feira, 15 de junho de 2011


Não diga não!
Ao menos pra você pense em dizer sim!
Não seja tão egoista para os outros.
Pense, porém, mais em si!
Não diga não temporariamente,
Para que o sim tenha espaço na tua vida!
Mas não esqueça que não é não,
E que é temporariamente, apenas, sim!

É tão bom ser assim, sendo o que lhe é cabivel ser!
Adoro ter tua presença infindavel! ;)

terça-feira, 31 de maio de 2011

Sede!



Sede assim, não tudo, mas de 'pouquim'.
Não sede em vão, pratique o perdão.
Sede amor, para que tantos outros possam amar-te.
Sede justiça, mas tenha sede de justiça!.
Tenha sede de viver!
Viver a vida, sedento, sedimentando
Sede certo, contrário, avesso - apenas sede!
E tenha sede de ser quem você mais almeja tornar-se!
Sede humano, com erros, com defeitos, mas com humildade!
Sede homem, sede mulher, sede crianças
Tenha sede de escolher o que é melhor pra você -
Ter sede de respeito para aceitar a escolha alheia é sábio!
Sede sábio - essencial.
Ter sede de sabedoria - trivial.
Sede, sedimente-se, e ceda em vosso espaço um lugar!.
Não sede perverso.
Sede manso e compassivo - talvez um pouco arisco.
Mas sede, como havia lhe pedido, humano!.
Sede humano e viva mesmo.
Viva a vida com sede de mais vida.
É só isso que eu vos SUPLICO...
Sede.

segunda-feira, 28 de março de 2011

A felicidade tomou conta...

O olhar cruzou-o..
O mesmo olhar fixou-o..
E os dois olhares se permitiram
olhar mais a fundo
- um para o outro - .

Extramente feliz, e não sou tolo para negar isso.
Tanta coisa acontecendo, tanta bagunça na minha vida
e eu simplesmente posso dizer que estou feliz!
Nem são palavras tão técnicas - nunca são!
É apenas minha felicidade que é grande demais!...
"Foi uma sorte grande ter lhe olhado sabia?"


Achei e não largo mais!
Am meistens glücklich!"

sexta-feira, 11 de março de 2011

"Minhas palavras turvas
se diluem contra o vento
A Fotossintese desta 'folha'
adoça e purifica meus pensamentos"

A vida embaraçada é metodismo para tantas pessoas, já para mim é um método arcaico de abster daquilo que a vida de mais belo tem a nos oferecer. Ando, quase correndo, atrás de minha felicidade pessoal. E acho que a cada dia me encontro mais e mais com ela!
Hoje - onze de março de 2011 - foi um dia SEM IGUAL, porque de um simples telefonema a minha noite foi preenchida de imensa alegria. Reencontrar com tanto amamos, conversar com quem tanto queremos bem: Um DOM.
Não esperei o telefonema, não esperarei mais. Irei eu mesmo ligar quando sentir vontade, na hora que eu quiser. As vezes esperamos a atitude alheiia e a nossa fica esquecida no canto e a vida passa e tudo se acaba!
Sou um cara assim, assim: de bem com a vida, com milhões de interrogações na cabeça e que sempre procura o CERTO e o ERRADO em medidas equivalentes. E sei - ando martelando à mim mesmo - que ainda há 'O' poeta dentro de mim. Ando me perdendo mais uma vez entre uma curva e outra do meu Dragão de Kimodo, que pra quem não sabe é minhas interrogações.
Achava, achei e continuo achando que este ano seria um ano nublado para mim. Tá sendo sim! Parado. Mas claro que quando vem os dias de SOL eu me esbaldo de alegria! Porque eu sou é do SOL, apesar de amar água!
A vida definitivamente é uma charada - literalmente uma charada - que ando decifrando a cada dia que passa: Desde o acordar até o adormecer. É mágica, é pureza, é plenitude. Viver a vida está em alta, está na moda - e é uma moda que nunca passa.
Então pronto, apenas decidi viver a vida da medida que me for possivel: dizendo sim quando der, não quando não agradar e correndo atrás, sem cessar, de uma constante felicidade que só eu mesmo posso me dar...

;) Adoro ter sua companhia sempre 'E'!